top of page
  • Foto do escritorMárcio

Trehalose


Segundo o depoimento de Karen Hohe Suchomel no grupo de suporte “4-AP” em 24 de outubro 2023, a Seelos Therapeutics interrompeu o ensaio clínico da Trehalose na semana 36, um pouco depois da metade do tempo previsto (52 semanas).  O estudo começou em junho de 2022 e deveria acabar em junho de 2024. Karen estava participando desde o início, assim como outros pacientes americanos. O motivo? O dinheiro acabou.


É incrível que a Seelos não tenha planejado e provisionado de forma adequada os custos de um ensaio clínico registrado e em avaliação pela FDA. Esta interrupção no meio do tratamento por “falta de dinheiro” é extremamente frustrante para os pacientes que estavam participando do estudo, como também para todos os pacientes com ataxia que aguardavam os resultados, além de cuidadores, pesquisadores, médicos e outras partes interessadas.


Pelo planejamento inicial, a ideia era recrutar até 245 pacientes com ataxia SCA3, de diversos sites dentro e fora dos Estados Unidos. Havia a previsão de que 3 sites para o ensaio clínico seriam abertos no Brasil, incluindo um na UNICAMP, mas o estudo foi pausado antes que o recrutamento de pacientes brasileiros fosse iniciado. O mesmo ocorreu em Portugal e outros sites fora dos Estados Unidos, onde o estudo (STRIDES) já estava em andamento.


Segundo a Karen, o ensaio clínico era para durar um ano, com aplicações semanais do medicamento por infusão intravenosa (90.5 mg/mL) nos pacientes. As infusões eram feitas na casa dos pacientes- uma enfermeira ia lá e executava o procedimento, que durava mais ou menos uma hora. A paciente americana postou em um grupo de suporte no Facebook que chegou a receber 36 infusões, mas que na semana 36 a Seelos interrompeu o estudo alegando “questões financeiras”.


A molécula da Trehalose (um tipo de açúcar) tem (potencialmente - isso é o que o ensaio clínico iria comprovar) a capacidade de quebrar os agregados tóxicos de proteínas mal formadas (por conta de mutação no gene que sintetiza tais proteínas). Estes agregados de proteínas afetam várias funções celulares e podem causar a morte de neurônios (perda neuronal) no cerebelo e outras áreas do sistema nervoso. É por conta desta perda neuronal (que pode ser identificada em exames de ressonância magnética como atrofia cerebelar) que surgem os sintomas das ataxias.


Perguntada sobre como estava se sentindo após receber as 36 infusões de Trehalose, a paciente relatou que pela forma como funciona (reduzindo os agregados de proteínas tóxicas) s Trehalose não “cura” a ataxia, mas pode potencialmente atrasar a progressão da doença, ajudando o organismo a se livrar das proteínas mal formadas através de mecanismos naturais. Ela portanto não esperava se sentir “melhor” (no sentido de cura ou de redução dos sintomas que já tinha), mas tinha a expectativa de que “sua ataxia progredisse mais lentamente”, o que é um efeito difícil para o próprio paciente quantificar, mas que pode ser medido objetivamente através de escalas especializadas que medem a progressão de sintomas de ataxias,  como a escala SARA, em relação à taxa de progressão “normal” medida em estudos de História Natural para a mesma ataxia, no caso, a ataxia espinocerebelar tipo 3 (SCA3).


Karen relatou que pelo que conseguia sentir a sua neuropatia (sintoma da ataxia) continuou progredindo lentamente ao longo das 36 semanas em que tomou o medicamento, mas que a evolução da sua ataxia medida pela escala SARA estava bastante estável.


Ou seja, com as infusões de Trehalose, “a ataxia não regrediu nem parou de progredir, MAS passou a progredir mais lentamente”, o que já é um grande avanço para os pacientes, tanto pela melhor qualidade de vida, quanto por dar a eles mais tempo para aguardar a aprovação pela FDA de outras terapias que possam efetivamente interromper o curso da doença (por exemplo, terapias genéticas ASO).


Karen relatou ainda que cada infusão semanal demorava uma hora, e que ela “ainda tem pacotes do medicamento estocados em casa”, já que recebeu quantidade para o ano todo e só usou por 36 semanas. Ou seja, a enfermeira que aplicava as injeções simplesmente parou de ir após a semana 36, pois foi o custo deste procedimento de aplicação semanal do remédio na casa do paciente que a Seelos não conseguiu mais suportar. No entanto, o estudo prosseguiu normalmente para os pacientes com ALS (Esclerose Lateral Amiotrófica), para os quais a Trehalose também está sendo testada. O estudo foi interrompido apenas para os pacientes recrutados com ataxia.


Segundo a Dra. Susan Perlman a Trehalose continua sendo uma molécula promissora para atrasar a progressão da SCA3 e é possível que o estudo da Seelos Therapeutics para pacientes com ataxia SCA3 seja retomado ainda este ano (o estudo não foi cancelado, foi apenas interrompido (pausado) em função das alegadas dificuldades financeiras).


O estudo da Trehalose é o SLS -005 no pipeline da NAF para a SCA3. Ver


O registro no clinicaltrials.gov está em


Link para o post da Karen no Facebook



48 visualizações

Posts recentes

Ver tudo

Comments


Commenting has been turned off.
bottom of page